Afastamento imediato de Dallagnol em caso de mensagens sobre Renan Calheiros é negado

10/09/2019 - 17:22

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) negou nesta terça-feira, por unanimidade, o afastamento imediato do cargo do procurador da República Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba.

O CNMP começou a julgar uma reclamação do senador Renan Calheiros (MDB-AL), que questiona Dallagnol por ter postado mensagens sobre o senador em uma rede social.

Segundo Renan, Dallagnol fez campanha na internet para atacá-lo, influenciando nas eleições para presidente do Senado. Em uma das mensagens, Dallagnol afirmava que, se Renan fosse eleito, projetos contra a corrupção teriam a aprovação dificultada.

O primeiro a apresentar voto no julgamento foi o relator do caso e corregedor do Conselho, Orlando Rochadel. Ele entendeu que Dallagnol não deveria ser afastado e afirmou que em caso de manifestação pública indevida, só deve sofrer suspensão quando a sanção mais branda não surtir efeito.

 Além disso, o relator votou por abrir um processo administrativo para apurar a conduta de Dallagnol. Ao final do processo, Rochadel entende que deve ser aplicada uma censura ao procurador.

Após o voto do relator, o julgamento foi suspenso. O conselheiro Fabio Stica pediu vista.

No entanto, todos os conselheiros que analisam o caso adiantaram seus votos sobre o afastamento imediato de Dallagnol e participam da ideia de que o procurador não deve ser suspenso.